Newsletter
Subscreva a nossa newsletter

Newsletter

FacebookTwitter
Jornal do Concelho de Oleiros | Directora: Daniela Silva | Periodicidade: Trimestral | agosto 2019 nº71 Ano XVI
Estrutura terá 225 metros quadrados
Siza Vieira mostra projeto do Miradouro do Zebro

IMG_8128.JPGO arquiteto Álvaro Siza Vieira já entregou ao presidente da Câmara de Oleiros o anteprojeto para o Miradouro do Zebro, na serra do Moradal. A nova estrutura terá 225 metros quadrados e ficará suspensa no cimo da serra. Esta proposta de área visitável e utilizável supera os cerca de 80 metros quadrados inicialmente equacionados pela autarquia oleirense.
Fernando Jorge, presidente do Município, adiantou ao Oleiros Magazine, à margem da conferência de imprensa de apresentação da Feira do Pinhal, que ficou "surpreendido pela beleza do projeto. Vai ser uma obra exigente. A Câmara de Oleiros está em condições para lançar o concurso para a obra, a qual será a primeira que Siza Vieira fará na região".
Com os primeiros desenhos da obra apresentados, a autarquia aguarda agora pelo projeto final e por saber como os trabalhos irão ser realizados, uma vez que a intenção de Siza Vieira "passa por mexer o menos possível na parte rústica de acesso à plataforma", diz Fernando Jorge, para quem o acesso à plataforma será feita por passadiços.
O autarca mostra-se esperançado em ter a obra concluída durante este mandato. O miradouro vai ficar instalado a uma altura de 300 metros e "será uma atração turística muito grande".
Para além desta obra, Siza Vieira vai intervir na chamada garganta do Zêzere, que une os concelhos de Oleiros, Pampilhosa da Serra e Fundão, através de uma ponte suspensa cujo projeto será da autoria daquele arquiteto.
O investimento é de cerca de dois milhões de euros, e a aposta é conjunta daqueles três concelhos, que têm a expetativa de poderem vir a usufruir de fundos comunitários.
Em declarações ao Oleiros Magazine, Fernando Jorge, presidente da Câmara, revela que irá ser uma estrutura que irá captar turistas de todo o mundo, pois também surge integrada na chamada Rota dos Apalaches.